5 de setembro de 2008

The Marilyn Files

A edição de Setembro da revista Vanity Fair tem na sua capa a eterna Marilyn Monroe. A reportagem prende-se com os seus arquivos privados (guardados pela sua agente desde da sua morte em 1962), na qual se encontram os registos de cheques passados, postais, jóias, livros de endereços, perfumes (sim está lá o Chanel n.º 5!!!), escovas de cabelo, recortes de jornais, e por aí a fora...

Marylin Monroe tornou-se uma "Deusa" no mundo e querem mostrar os objectos que a tornavam humana, mais próxima dos meros mortais....

Fez-me lembrar uma série "All in Family" em que Edith Bunker falava sobre o seu ídolo, Elisabeth Taylor, já que não conseguia imaginar esta a cuspir no lavatório quando estava a lavar os dentes.

No fundo somos todos nós que criamos os Deuses no Olimpo....somos nós que estabelecemos as regras de pertencerem a esse grupo restrito.

1 comentário:

José disse...

Exemplo acabado de uma mulher que nem era capaz de decorar textos...o mito nasceu da sua morte precoce..tal como james Dean..
Gente que viveu depressa demais e de facto se eternizou.
Mas no fundo não sei bem porquê..